129º Pão com Manteiga Especial 25 anos KF e 50 anos Aberje

As narrativas e o ambiente corporativo contemporâneo

Em julho de 2017 o Pão com Manteiga completou 15 anos. Para trazermos de volta o mesmo gostinho do 1º encontro, convidamos o prof. Paulo Nassar para celebrar essa conquista e homenageá-lo por ter acreditado na proposta do Pão desde o começo. Ele foi o 1º consultor convidado em julho de 2002, protagonista desta narrativa que continua até hoje.

Outro marco do 129º PCM foi realiza-lo na Aberje, Associação que chega a 50 anos de existência também este ano. Tantos anos somados aos 25 anos da KF Comunicação, tornaram esse café da manhã pra lá de especial, com bolo de aniversário, velinhas de 90 anos e todas essas boas desculpas para nos reunirmos.

 

Desejo e Reparação

Título de um longa metragem, esse drama é baseado no livro de Ian McEwan acompanha a vida de dois jovens amantes, Cecilia Tallis e Robbie Turner. Quando o casal é separado por causa de uma mentira inventada por Briony, irmã caçula e ciumenta de Cecilia, todos sofrem com as consequências. Robbie é preso, mas quando seus caminhos se cruzam novamente durante a Segunda Guerra Mundial, surge uma nova esperança.

Metaforicamente, Paulo Nassar nos disse que algumas empresas no Brasil passam por um momento de reparação. Para ele, a adoção de narrativas críveis é o que fará voltar a credibilidade nessas marcas, perdia por crises e casos de corrupção.

Todo o contexto e momento de ebulição atual, exemplifica conceitos de Marshall McLuhan, educador, intelectual, filósofo e teórico da comunicação canadense. Conhecido por vislumbrar a Internet quase trinta anos antes de ser inventada, ele definiu que o excesso de mensagens causa catatonia – uma alternância entre períodos de passividade e de negativismo e períodos de súbita excitação -, enquanto que a falta de mensagens provoca alucinações – distúrbios que consistem na percepção de objetos inexistentes, acompanhados da convicção inabalável na existência dos mesmos.

Para Nassar, um dos efeitos dessa realidade é a perda de identidade.  Nesse presente momento, a sociedade atual exige narrativas mais complexas. “O trabalhador não é mais só músculo, ele se relaciona e se emociona”, afirma. Portanto, a comunicação corporativa precisa atender a essas novas necessidades humanas.

 

“Temos que assumir nossas imperfeições para haver mudanças”. Esse foi o pedido feito por Nassar para despertar o desejo nos comunicadores de fazer uso das narrativas. Para ele, as narrativas organizam a nossa experiência, tanto individual quanto coletiva. E englobam a noção de tempo e espaço. Desta fora, não há comunicação eficiente, se não levar em consideração o contexto.

Citando Alberto Manguel – escritor, organizador de antologiaseditor e romancista -, Nassar afirmou que precisamos dos outros para falar e para que nos devolvam o que dissemos. É um constante exercício de identidade.

 

Chapa quente pode ser uma boa narrativa

A dimensão da responsabilidade do comunicador se encarada como a dimensão da oportunidade gera muito otimismo. Basta olhar a grande quantidade de narrativas e a velocidade com as quais as informações são disseminadas. A atuação dos comunicadores no ambiente corporativo é cada vez mais desafiadora. Nossa proposta é continuar a construir narrativas e a defendê-las como parte fundamental da estratégia de marca, imagem e reputação.

De forma muito amistosa, a equipe da KF recebeu seus convidados com novidades na narrativa do Pão: pela 1a vez em 15 anos nosso pãozinho com manteiga foi preparado na hora por um “chapeiro” de padaria. Hum, que delícia! Um sabor especial que provocou vínculos afetivos aos presentes.

Obrigado a todos que nos prestigiaram e desejamos vida longa para o Pão com Manteiga!