O que se compra e o que se vende

Sempre que penso no trabalho de comunicação interna, encontro algumas soluções, que funcionariam bem se a empresa permitisse conhecer sua cultura, sua realidade, o perfil e anseio de seus funcionários. É como chegar na casa de alguém pela primeira vez, ser recebido na sala de estar e conversar longamente sobre como a família vive. Depois de uma hora de papo fazer um tour pela cozinha, ir até o quintal e conhecer o cachorro e o papagaio, subir as escadas e ver os quartos, banheiros e sala de TV. Tudo isso acompanhado de referências visuais como fotos, objetos, móveis, roupas etc. Depois se sentar para jantar e durante a refeição descobrir ainda mais da personalidade daquela família, pelas receitas de salgados e doces, pela forma única de preparar a comida e de servir as bebidas. Ao final temos um sentimento muito bom, de intimidade e de proximidade. Mas porque isso não acontece no ambiente empresarial? Pela minha vivência, na maioria das vezes, porque a empresa quer comprar comunicação e nós prestadores de serviço, agências e consultorias, queremos vender. E apesar do desejo mútuo, se descuida muito do processo. É muito comum que os briefings, invariavelmente passados verbalmente, em momentos distintos e por equipes distintas, sejam pedidos como, por exemplo, um incremento nas vendas ou uma diminuição de algum índice negativo dentro da organização. Imediatamente pensamos em agir, criando um plano capaz de minimizar estas condições. Até aí, tudo bem, acredito que a comunicação ajuda muito e pode trazer os resultados. Mas quando vamos mais a fundo, questionando sobre as políticas internas, sobre o perfil do público, quem e como são essas pessoas, como também o que anseiam e esperam, as informações não são fornecidas, talvez por que não existam de forma sistematizada a ponto de serem subsídio para algum projeto de comunicação. Nesse jogo de interesses não há espaço para a análise, nem tão pouco para a reflexão de qual é o verdadeiro alcance da comunicação. Pela dificuldade de definir objetivos e de colocarmos um limite em nosso poder, prometemos resultados, ora tímidos, ora pretensiosos demais. Concluo que a forma como se pensa a compra e a venda dos serviços de comunicação, vem influenciando ou determinando respostas cada vez mais táticas e menos estratégicas. Iniciativas na gestão de processos e pessoas devem ser tomadas preferencialmente antes ou na melhor das hipóteses simultaneamente aos planos de comunicação para se obter eficácia. Por isso devemos buscar ir um pouco além. Caminhar no sentido do esclarecimento de nossas atividades e do que precisamos da empresa para melhor executá-las. Vejo um período importante de aprendizado, onde cada uma das partes deva se preocupar em melhor atender a outra. Dado que a comunicação é um processo sistêmico, nunca é demais repetir e continuar reforçando onde se pretende chegar. Claudia Cezaro Zanuso Diretora de Atendimento e Planejamento da KlaumonForma Comunicação e do Núcleo Memória Empresarial

Comunicação Interna Estratégica

A diretora de Atendimento e Planejamento da KlaumonForma, Claudia Cezaro Zanuso, concedeu entrevista a Fundação Vanzolini, onde ministra curso sobre a Comunicação Interna e seu valor estratégico. Mais informações sobre o curso, com nova turma para 20.07.2009, estão disponíveis no site da Fundação Vanzolini: www.vanzolini.org.br. Confira abaixo a entrevista na integra. Cada vez mais as organizações têm notado a importância de manter seus colaboradores informados e alinhados a suas estratégias de negócios. Curso ministrado pela Fundação Vanzolini mostra a importância da comunicação interna neste processo, apresentando as ferramentas e estratégias que podem trazer resultados efetivos às empresas. A área de comunicação das empresas costuma ser a primeira a sofrer conseqüências em períodos de crise econômica: redução de investimentos, adiamento de novos projetos e, até mesmo, demissões. No entanto, as empresas que contam com uma área de comunicação estruturada já perceberam que as ações desse departamento podem ser ainda mais determinantes justamente nos momentos de instabilidade. Segundo a consultora Cláudia Cezaro Zanuso, que ministrará o curso “Comunicação Interna: importância estratégica para a organização”, dia 24 de março na Fundação Vanzolini, explica que a comunicação interna é uma ferramenta fundamental para proporcionar uma maior interação entre os departamentos das empresas, criando uma sincronia entre os objetivos da organização e o bem-estar dos colaboradores. “O diferencial competitivo das companhias está nas pessoas. Cada equipe é sempre única. Por isso, é importante que ela esteja sempre motivada e alinhada à estratégia da empresa”, diz. Hoje as áreas de comunicação contam com uma série de estratégias para informar e motivar as equipes. Essas iniciativas vão desde a elaboração de informativos (jornais, revistas, newsletter etc.) até campanhas internas que ajudam muito no trabalho de endomarketing, uma área que busca adaptar estratégias e elementos do marketing tradicional, normalmente utilizado no meio externo às empresas, para uso em seu ambiente interno. No entanto, Cláudia alerta para o fato de que essas ações, por si só, podem ser insuficientes para obter os resultados esperados. “O mais importante é incentivar a formação de uma cultura de comunicação interna dentro das organizações. Apesar de existir uma área responsável por isso, todas as pessoas se comunicam dentro das empresas. Dessa forma, é preciso cruzar as informações das diferentes áreas, criando uma rede de agentes de comunicação, ou seja, identificando as pessoas que podem auxiliar na disseminação das informações”, enfatiza. Ela destaca também o papel dos gestores no processo de comunicação. “Além de entregarem os resultados técnicos para os quais eles foram contratados, os gestores precisam desenvolver as habilidades necessárias para manter as equipes motivadas e em dia com as expectativas da empresa”, afirma Cláudia. No curso que ministrará na Fundação Vanzolini, a consultora pretende apresentar, de forma didática, os conceitos e as ferramentas da comunicação interna, destacando os benefícios que a prática pode trazer para as companhias. “As empresas que possuem um departamento de comunicação eficiente e de acordo com as estratégias da organização, certamente possuem vantagem em relação à concorrência. Isso porque a comunicação interna é capaz de gerar um sentimento de orgulho e uma vontade de participação nos colaboradores que trazer resultados efetivos para os negócios da empresa”, finaliza.

Dia Mundial do Meio Ambiente

A KlaumonForma mandou um e-mail mkt a seus clientes, parceiros e amigos com 10 dicas para comemorar o dia do meio ambiente e pediu que eles também enviassem suas formas de comemoração. Confira as mensagens que recebemos: Eu já adquiri o hábito de levar a sacolinha a tiracolo quando vou ao supermercado ou até à padaria. Muito bacana a mensagem! Luciane de Castro, analista de TI, Grupo Procwork O planeta precisa de você. Junte-se a nós hoje para salvar o amanhã Sandra de Souza – Arcor :: Clique aqui para ver a mensagem da Arcor Na comemoração do dia Mundial do Meio Ambiente o Instituto Estre tem o prazer de convidar você a conhecer o nosso novo portal www.institutoestre.org.br Adorei o e-mail, não só pelo layout, mas pelas dicas! Eduarda Lopes, diretora de publicidade, editora Música & Mercado Vou comemorar ouvindo uma música tão linda quanto antiga dos Secos e Molhados: “Que fim levaram todas as flores”. Ouça; É uma viagem pelo tempo. http://www.youtube.com/watch?v=hJ6OTa3TR7E João El Helou – KlaumonForma Comunicação Minha comemoração é minha batalha constante para implantar a coleta seletiva em meu prédio. Daise D´Aurea Grigoll Martins – Consultora Achei ótimo este e-mail… Muito bom mesmo! Um abraço, Ricardo Castellani – Grupo Magneti Marelli Lindo! Adorei! Parabéns pela Iniciativa! Christiane Cralcev Bracco – Monsanto do Brasil Ltda. Muito legal o e-mail! Parabéns! Carla Vicentini – Banco ibi S.A. – Banco Múltiplo Fofa esta mensagem e a ideia. Parabéns! Patricia Merli Antunes – Oxiteno.