Topo_Acorde_ag-02

Acorde! Para um mundo melhor – Edição 20/ Agosto

“Tempo, tempo, tempo mano velho”

 

IMG_3900Como na música da banda Pato Fu, o tempo é um dos recursos mais desejados da humanidade. Quem nunca ouviu um amigo ou a si mesmo pedindo para que o dia tenha mais horas? Quem nunca reclamou da falta de tempo? A sustentabilidade debate a melhor utilização de recursos, sendo o tempo um recurso vital do pilar social.

Gerir bem o tempo é fundamental para as empresas e para os próprios profissionais. Pois permite potencializar as ações e, com isso, obter melhores resultados. O primeiro passo para aproveitar melhor o dia é perceber que o tempo é diferente para cada um. É necessário se autoconhecer, aprender a lidar com imprevistos, se organizar, fazer as horas renderem, assim, você vai perceber que ele se multiplica.

“Muitas pessoas confundem horário com tempo. Tempo é vida! Se você sente que faltam horas, é essencial repensar a sua atividade e identificar o que é prioridade e que está acima de tudo, o que é importante e as demais tarefas”, afirma Vanessa Guimarães, jornalista e consultora de comunicação corporativa.

Uma dica da Vanessa é montar um cronograma. O ideal é fazer uma lista diária. Mas, se isso não for possível, tire uma hora por mês para fazer um cronograma de atividades e a cada dia, verifique o que conseguiu cumprir ou faça as adequações necessárias, incluindo os imprevistos.

Outra dica é colocar o horário que vai começar e terminar uma atividade e tentar cumprir essa meta, incluindo o intervalo entre um compromisso e outro. “Cada minuto bem utilizado, vai somar com outros para aproveitar no fim do dia. Por isso, seja pontual e demonstre respeito pelo seu tempo e o do próximo”, destaca.

Trabalhar a gestão do tempo é abrir a mente sobre como organizar o seu dia a dia, para se ter melhor qualidade de vida. Segundo Isa Basílio, analista financeiro da KF Comunicação, o ideal é “tirar um tempo para avaliar como é a sua rotina e planejar-se, classificando cada atividade pelo grau de prioridade que elas exigem: urgente é tudo o que não dá para adiar, esperar ou que tem prazo curtíssimo; importante é o que tem período determinado para acontecer; e circunstancial é toda tarefa que não traz ou agrega resultado”.

Para as empresas é fundamental compreender que cada indivíduo tem o seu próprio tempo, história e que agrega coisas diferentes e positivas. Para Vanessa, “um colaborador agindo como um robô não é positivo. É importante mostrar que todos são líderes na sua função e que o seu trabalho influencia o todo. Assim, as pessoas conseguem produzir mais e administram melhor o seu tempo”.

 

Educação em pauta no TEDxSãoPaulo

tedxspO estádio Allianz Parque foi o palco da edição 2017 da TEDxSãoPaulo, que aconteceu em 12 de agosto. O evento teve como objetivo disseminar ideias e compartilhar experiências inspiradoras para gerar discussões profundas e reflexões entre os participantes sobre o futuro da educação. Entre os palestrantes estiveram educadores, músicos, pesquisadores, entre outros. A ação tem a licença da TED, uma organização sem fins lucrativos, que tem como missão promover ideias. As palestras são referências mundiais e vistas por milhares de pessoas no mundo.

O TEDxSãoPaulo teve transmissão ao vivo gratuita e em tempo real, mas os vídeos das apresentações ainda podem ser encontrados na página do evento: facebook.com/TEDxSP.

Clique aqui!

Topo_Acorde-02

Acorde! n° 19 para um mundo melhor

Topo_Acorde-01

Entrevista

A presença da mulher nas organizações e a importância do empoderamento feminino. Para falar sobre esses temas, convidamos Maria Silvia Monteiro Costa, Relações Públicas, diretora executiva da Artha, consultoria que identifica, estabelece, monitora e mensura a confiança nos ambientes corporativos, combinando as dimensões emocionais do ser humano com a eficiência do negócio.

A mulher em posições de liderança

“Temos exemplos de mulheres que estão no alto poder em países, como a Angela Merkel, na Alemanha e a Theresa May, na Inglaterra, e também na direção de grandes empresas. A medida em que temos modelos notáveis, ele vai se espalhando para outros lugares. Elas vão ganhando cada vez mais espaço e inspirando as pessoas. Ainda vivemos em um ambiente com uma cultura muito patriarcal, não significa que são lugares que a mulher não possa ocupar, mas é necessário ter essa clareza sobre as limitações culturais das empresas, os preconceitos, mas isso não pode afetar o quem ela realmente é.”

Empoderamento

“Quando a mulher tem segurança de quem é e das suas potencialidades, ela já se coloca no mercado de uma maneira completamente diferente. Então, se autoconhecer é o que eu recomendo para as pessoas. Isso significa ter autoestima e confiança de que tudo pode, e o que não pode é algo que não depende dela.

A mulher tem que ser forte com aquilo que é sua a verdade, valorizando as suas características. O empoderamento feminino passa pelo autoconhecimento, passa por como ela se coloca no mercado e pelo fato do quanto o ambiente externo limita os seus potenciais internos. Ao encontrar essas vulnerabilidades, ela poderia buscar formas de se desenvolver e se fortalecer.”

Movimentos

“É importante que as empresas tomem consciência de que é necessário falar sobre o tema e que sejam mais igualitárias, com oportunidades de desenvolvimento para todos. A minha única observação é como essa narrativa será construída, para não colocar um gênero versus o outro, porque no lugar de se empoderar, abre-se um campo de discussão e no dia a dia de uma empresa nada é mais improdutivo do que instalar um clima como esse internamente. O ideal é colocar os gêneros em conciliação, pois os dois tem as fortalezas que uma empresa precisa, assim como também é essencial apoiar as mulheres para que elas possam, de fato, trabalhar de maneira igualitária.”

Equidade e empoderamento

waagTodas as pessoas são necessárias para falar de igualdade e respeito. Para estimular o protagonismo e o desenvolvimento profissional das mulheres da AccorHotels, cliente da KF Comunicação, a empresa criou o WAAG (Women at AccorHotels Generation). Entre as ações, foi implantado o programa de mentoring, para preparar as mulheres para atuar em posições de liderança, além de ativações em datas comemorativas e palestras sobre temas relacionados, envolvendo todos os colaboradores. A empresa também faz parte do HeforShe e dos Princípios de Empoderamento das Mulheres, da Organização Mundial das Nações Unidas.

 

A mulher de comunicação

heforshePara compreender os desafios da mulher no mercado de comunicação, Paulo Nassar, presidente da Aberje e professor da ECA/USP, coordenou o estudo “A Mulher de Comunicação – Sua Força e Seus Desafios”, em parceria com Carlos Ramello, sócio-diretor da DMR Consulting. A pequisa contou com a participação de 478 comunicadoras e propôs um questionamento mais profundo sobre as relações de trabalho no País. O resultado foi compartilhado com as empresas membros da Associação.  Mais informações no site da Aberje www.aberje.com.br.

Topo_Acorde-18tb

Acorde! para um mundo melhor nº 18

Topo_Acorde-18

 


Entrevista

Nesta edição, convidamos a jornalista Patrícia Capo, coordenadora de publicações da Associação Brasileira Técnica de Celulose e Papel e editora da revista “O Papel”, publicação com 78 anos de circulação no mercado nacional e internacional, com foco no segmento de celulose e papel, para falar da comunicação como uma ferramenta essencial para manter o público informado e construir um relacionamento de transparência e confiança, principalmente em áreas que são muito visadas quando o assunto é sustentabilidade.

 Como fazer comunicação para setores considerados críticos com relação à sustentabilidade?

No passado, as empresas no mundo tinham uma forma de atuar com muito menos legislação e cobranças. No setor de celulose e papel, foi disseminado um conceito de que era uma atividade destrutiva. Criou-se um paradigma de que qualquer setor que usasse madeira como matéria-prima desmatava o meio ambiente, sendo que não era bem assim. Só que, conceitualmente, explicar isso para a sociedade exigia um planejamento alinhado de comunicação de todo um segmento e eles não estavam articulados para explicar, em uma linguagem única, que o meio ambiente não estava sendo prejudicado.

A visão negativa do setor criou um medo nas empresas e elas se fechavam em vez de se posicionar de outra forma ou de se colocar de uma maneira combatente. Quando algumas delas tentavam se explicar, isoladamente, não conseguiam passar a mensagem com a efetividade necessária. Mas isso já mudou bastante. As empresas se uniram e se fortaleceram como setor e a comunicação foi evoluindo a partir da mudança de posicionamento nas mídias e da forma de apresentar as informações. A entrada dos meios digitais também permitiu comunicar com mais agilidade, atingindo um maior número de pessoas do que no passado.

Quais as tendências em comunicação para essas áreas?

Os desafios serão cada vez maiores e a comunicação ficará cada vez mais complexa. É como escalar uma montanha, escorregar e em algum momento ter de recomeçar. Quando você acha que encontrou o ponto de efetividade, precisa rever o processo, porque no dia seguinte tudo mudou. Atualmente, há um volume absurdo de informações pelos meios digitais, e eu olho para trás e vejo que, em determinados casos, o uso do papel é mais efetivo que um e-mail marketing, por exemplo. Se eu envio uma mensagem para cinco mil pessoas e apenas cinco abriram, quanto que eu comuniquei? Nada! Então, se estou buscando pelo menos 70% de efetividade, preciso avaliar o que funciona e, às vezes, olhar pra trás e ver como eu comunicava. As coisas mudam muito rápido, pode ser que o que eu fazia anteriormente é o que está valendo para o público agora.

Como as empresas ligadas a essas áreas estão atuando nas redes sociais?

O que observo é que nessa questão as empresas ligadas a setores críticos ainda precisam evoluir bastante nas redes. Claro que há as que estão um passo à frente, as grandes, principalmente, que possuem uma estrutura para fazer comunicação digital. Mas, até algumas delas ainda não têm o tempo de resposta que esses veículos exigem e do que é esperado pelo cliente. A exposição proativa ainda é muito tímida, assim como a forma de se relacionar com o público. Às vezes, a empresa age apenas age reativamente quando o cliente faz uma abordagem, em vez de aproveitar o canal para se apresentar e defender seu posicionamento.


Meio Ambiente

kf-agua

 

Com o objetivo de mostrar ao público que toda atitude de proteção ao meio ambiente é importante, a KF lançou a sua campanha de comemoração do Dia Mundial da Água, 22 de março. Segundo dados da Organização das Nações Unidas, estima-se que um bilhão de pessoas carece de acesso ao abastecimento de água adequado, e entre as principais causas está o uso ineficiente. Para conhecer o conceito por trás dessa e de outras campanhas de sustentabilidade que fazemos, venha conversar com a gente. Confira!

 

Fique por dentro

ciclos

 

Mover-se nas grandes cidades está se tornando um grande desafio. Para mostrar a transformação da mobilidade urbana por meio do uso de bicicletas, foi criado o projeto Ciclos, do Itaú com a agência de mídia global Vice. O documentário conta a história de pessoas que inseriram o uso da bike na sua rotina. Veja mais!

acorde_chamada

Acorde! para um mundo melhor nº17

Topo_Acorde

 Sustentabilidade Empresarial

A primeira edição de 2017 do Acorde é um despertar especial! Convidamos os três sócios da KF Comunicação, João Helou, Cláudia Cezaro e Mônica Deliberato, para um bate-papo sobre sustentabilidade empresarial  e a estratégia de sucesso da agência, que está comemorando 25 anos de mercado e de empreendedorismo, fortalecendo a comunicação nas empresas e vencendo desafios, mesmo em tempos de crise. Acompanhe!

Como iniciou a história da KF?

João: Éramos três pessoas com competências distintas e essa soma agregou muito para a gente desejar ter a nossa agência de comunicação há 25 anos.

Cláudia: Montar a agência era um sonho. Uma vontade de trabalhar com algo que a gente tinha capacidade de fazer. Ficamos um bom tempo somente os três trabalhando para depois começar a criar uma nova estrutura de negócio.

Mônica: Acho que a pitada de tudo isso é que nós três temos um perfil empreendedor, isso é uma característica para o negócio dar certo. Temos o espírito de fazer alguma coisa diferente.

Quais as principais mudanças que aconteceram ao longo dos anos?

Mônica: Acredito que foi o trato com a equipe e a própria forma de gerir um negócio. Fomos aprimorando a gestão e esse é um dos pilares para que ainda estejamos na ativa.

Cláudia: Ao trabalhar em uma área de comunicação, principalmente no setor de prestação de serviços, percebemos o quanto as coisas são voláteis. Por isso, o que tínhamos como política ou como maneira de trabalhar foi se modificando com o tempo, e isso é muito bom. Talvez, esse seja um caminho de sustentabilidade.

João: Também quero ressaltar o que não mudou nesses 25 anos: o propósito de fazer diferente. E isso não precisa ser nada espetacular, pode ser um detalhe que encante e faça com que o cliente deseje estar com a gente.

Quais os principais desafios nesses 25 anos?

Cláudia: As dificuldades existiram e também fazem parte da nossa história. Muitas vezes não sabíamos como seria o período em termos comerciais ou se teríamos a receita necessária para o negócio sobreviver. O que nos manteve firmes foi o nosso compromisso com o cliente e com a equipe e o equilíbrio que buscamos entre o fazer com responsabilidade e o prazer em atender.

Quais os momentos mais marcantes?

Mônica: Estarmos os três hoje ainda juntos, pois são 25 anos, e a confiança ainda é muito forte.

Cláudia: Conquistamos muitos clientes com marcas relevantes e, por meio deles, pudemos sentir o poder do que fazemos. Ver o nosso trabalho acontecendo e a solução que propusemos ajudando as empresas a se comunicarem melhor. Como diz uma grande amiga, “somos testemunha ocular de uma evolução na comunicação”.

João: Quando o cliente devolve para nós uma coisa chamada confiança, é muito gratificante, ainda mais quando diz “eu quero fazer com a KF porque sei que ela vai entregar o que eu quero.”

Quais os planos para os próximos anos?

João: Queremos trabalhar por mais 25 anos, ou quantos anos mais forem, mas sem perder a vontade de fazer comunicação. Que a gente chegue na agência com a mesma disposição de quando iniciamos a agência.


Gente que faz!

Notafiscal_v2-01Dedicar uma parte do seu tempo, o seu conhecimento ou suas habilidades para uma causa pode fazer a diferença na vida das pessoas. As empresas estão, cada vez mais, apoiando práticas voluntárias que engajam seus colaboradores, ao mesmo tempo em que promovem a sustentabilidade, a cidadania e a responsabilidade social. Vale a pena ficar de olho nas ideias e nas ações voluntárias praticadas pelos colaboradores, que podem servir de inspiração para novos projetos nas empresas ou na comunidade

Foi o que aconteceu com o time da KF Comunicação, que participou voluntariamente de uma ação social realizada por um de seus clientes na Casa do Zezinho, espaço que oferece oportunidades de desenvolvimento para crianças e jovens em situação de alta vulnerabilidade social.

A atividade foi gratificante e inspirou a equipe a continuar dando suporte à ONG, por meio do   cadastro de notas fiscais. Sabe aquela notinha do supermercado, da farmácia ou do posto de gasolina que esquecemos de incluir o CPF? O valor do imposto delas é revertido à entidade e faz uma enorme diferença na renda da instituição.

Inspire-se nessa ideia!


Fique por dentro

livro

Dica de leitura: Nesta edição do Acorde, convidamos você a uma viagem instigante sobre a cidade de São Paulo. O livro Estéreofluxos – Energia da Cidade, produzido por Gavin Adams e Marcos Muzi, com patrocínio da AES Eletropaulo, é um ensaio visual anáglifo (que proporciona um efeito tridimensional estereoscópico quando visto com óculos especiais), onde a capital paulista é retratada em diversos aspectos da sua vida e história. O registo é feito em três camadas chamadas de “visão dos anjos” (vistas aéreas), “visão dos pássaros” (fotografias tiradas por drones) e “visão dos humanos” (registro a nível do chão).

 

acorde-sustenta

Acorde! para um mundo melhor nº16

_cabecalho
Informativo de Sustentabilidade da KF Comunicação – Edição nº 16

Editorial

Consumir, atualmente, vai além de um desejo de possuir bens. A necessidade de consumo continua, mas o que nos faz comprar algo passa por decisões emocionais, até mesmo antes das racionais. Nosso sentimento sobre as marcas, aliado ao propósito delas traz nova lógica para os negócios. De acordo com a teoria do Círculo Dourado do escritor Simon Sinek, uma marca de sucesso deve ter uma conduta inspiradora, atendendo a três questionamentos do público: o que? qual o produto ou serviço que está sendo ofertado; como? a forma como é apresentado; e por quê?. É aqui que as empresas explicam porque elas existem e conquistam êxito quando seu público acredita no que elas acreditam. Quando esse ciclo acontece, as pessoas interagem com as marcas e se fidelizam a elas, engajando-se nas ações promovidas, tornando-se embaixadoras daquela marca, entre outros benefícios.

O empreendedorismo social ganha destaque neste momento de grandes desafios econômicos, porque é motivador e, ao mesmo tempo, promotor do bem-estar da sociedade, mostrando um propósito pelo qual acreditar e lutar. O empreendedor observa uma situação-problema e elabora uma alternativa para enfrentá-la, possibilitando a melhoria da qualidade de vida de todos os envolvidos.

Penso que o fim de um ano seja um bom momento para avaliar como está o nosso propósito e se é necessário atualizá-lo de acordo com a realidade que vivemos; ou se precisamos modificar a forma de comunica-lo para tornar esse propósito mais claro ao público. Da nossa parte, acreditamos ter feito bom uso de nossa profissão de comunicador para disseminar nossas ideias e brilhantes inciativas ao longo deste ano por meio deste boletim.

Agradecemos pela audiência e desejamos continuar com vocês em 2017!

Felicidades,

Monica Deliberato Baptista

Diretora para a sustentabilidade da KF

A revolução progressiva da sustentabilidade

seta-verdeNão há nenhum lugar no mundo com condições tão adequadas ao investimento na economia verde e social como o Brasil. Ao mesmo tempo, vivemos um cenário de crise econômica e ética, que mantém os consumidores ainda se mobilizando pelo preço. Aos poucos, esse comportamento está dando lugar a outros, pela busca da transparência das organizações e da internalização dos conceitos de sustentabilidade. Por isso há uma necessidade pulsante de fazer a transição do modelo tradicional da economia, que é baseado na produção em massa de bens de consumo, para um novo modelo, mais inclusivo.
marcusSegundo Marcus Nakagawa, professor da ESPM e consultor convidado para o 123º Pão com Manteiga que a KF realizou em novembro, “estamos em um momento delicado em relação às questões financeiras e temos que utilizar a sustentabilidade como motor de inovação. A humanidade está se transformando, mesmo que não possamos ver claramente, porque baseamos a nossa visão ao nosso ciclo de vida, mas se formos olhar de uma forma mais abrangente, veremos o que já desenvolvemos e o quanto vamos crescer ainda mais nesse sentido.” No âmbito do meio ambiente, reduzimos o desmatamento, mas, em seguida, tivemos a quebra de uma barragem em Mariana (MG) que devastou uma grande região, causando a morte de pessoas, da natureza e da economia local. O que aconteceu depois disso? Muito pouco e vimos que ainda há muito a mudar, começando pela nossa legislação ainda é frágil nessas situações e pelas instituições que precisam mostrar mais que preocupação, para agir a favor da sustentabilidade.

Para suprir essa necessidade premente da população em geral, o empreendedorismo social mostra-nos um caminho para solucionar alguns dos problemas sociais, resgatando pessoas de situações de risco, promovendo a inclusão e emancipação social. É uma forma de colocar o que sabemos fazer e analisar como isso se encaixa no que é preciso fazer para o bem da humanidade.

O empreendedorismo social é uma forma de sanar as necessidades da população usando a lógica de mercado. Dentro da sociedade há o desejo de ajudar, por isso surgem atividades sociais e as ações de crowdfunding (investimento coletivo), mas é necessário analisar bem antes de investir, para não ser algo em vão. Um dos grandes responsáveis na disseminação e fomento dessas ideias deve ser a Academia”, destaca Marcus.

divisoria


Fique de olho

livox-img O ganhador do Prêmio Empreendedor Social, do jornal Folha de S. Paulo, foi o projeto desenvolvido pelo analista de sistemas Carlos Pereira. O Livox é um aplicativo para tablets e smartphones que permite que pessoas com deficiência se comuniquem e aprendam. O app possui diversos algoritmos inteligentes que se ajustam à deficiência motora, cognitiva ou visual. A ferramenta ganhou, em 2015,
a chancela da ONU como a melhor ferramenta de comunicação alternativa do mundo. O aplicativo custa R$1.350, mas passou a ser vendido com desconto de 74% pelas Apaes (Associação de Pais e Amigos dos Excepcionais) de São Paulo, para democratizar o software no Brasil, que ainda tem versões em inglês, espanhol, alemão e árabe. www.livox.com.br 

 

 

novelis

A Novelis, líder global em laminados e reciclagem e cliente da KF, foi a vencedora do Prêmio Aberje 2016, na categoria Comunicação de Programas Voltados à Sustentabilidade Empresarial, com o case Prêmio Novelis de Sustentabilidade. Criado em 2011, o Prêmio Novelis visa distinguir e reconhecer ideias e/ou projetos inovadores para as mais variadas formas de aplicação de produtos laminados de alumínio, estimular e contribuir para o crescimento do mercado e na construção de uma sociedade mais sustentável, além de colocar o assunto reciclagem no foco do debate entre representantes do setor e do público em geral. www.premionovelis.com.br

 

 

mattos Mostrando que a sustentabilidade pode e deve ser praticada em todos os setores, o escritório Mattos Filho lançou o seu 1º Relatório social. A publicação é um exercício de transparência e diálogo com os clientes e púbicos de relacionamento, apresentando as ações que contribuem para a construção de uma sociedade civil mais ativa e um País mais justo. www.mattosfilho.com.br

 

 

 

 

virada

Em 02/12 estará aberta a exposição “Grandes Nomes Grandes Feitos”. A Secretaria de Estado dos Direitos da Pessoa com Deficiência por meio da Virada Inclusiva convida todas as pessoas a conhecerem 12 personalidades brasileiras e estrangeiras que desenvolveram ações em diferentes áreas do conhecimento que mudaram a sociedade atual. Essas pessoas, além de terem contribuído com melhorias para a qualidade de vida, pela luta por direitos humanos e pelo acesso à Arte e à Cultura possuem um aspecto comum: a deficiência. A exposição será realizada no Condomínio Conjunto Nacional, de 02 a 07/12, Av. Paulista, 2073, Consolação; e no Memorial da Inclusão, de 08/12 a 19/01, na Av. Auro Soares de Moura Andrade, 564 – Portão 10, Barra Funda. viradainclusiva.sedpcd.sp.gov.br

Comece o ano bem

divisoria
curso

Curso de férias da ESPM “Empreendedorismo Social: Causas e Ações”. Para desenvolver a compreensão sobre o empreendedor
e o empreendedorismo social nas suas várias vertentes, engajamento, desafios e oportunidades. Além de apresentar outros formatos de projetos, organizações e negócios. As aulas serão ministradas pelo professor Marcus Nakagawa e o curso terá 12h de duração, com turmas nos dias 30/01 e 02/02, das 19h30 às 22h30.

Inscrições Exclusivamente pelo site da ESPM: www.espm.br/ferias 

 

molico-site

Acorde! para um mundo melhor nº15

acorde-banner2-01

 

Informativo de Sustentabilidade da KF Comunicação – Edição nº 15

Editorial

Tratar todas as pessoas como iguais é, acima de tudo, um direito humano. Ao longo dos anos as mulheres tem conquistado direitos, assumido mais responsabilidades, acumulando funções e obrigações. Atualmente, não há um espaço que não seja marcado pela presença feminina, seja nas artes, tecnologia, ambiente de trabalho, política, entre outros, mostrando liberdade de escolha, independência e autonomia nas decisões. Mas ainda há muito a trilhar até a equidade de gêneros no mundo.

Para contar essa trajetória da mulher na sociedade, foi criado o projeto multiplataforma “Mulheres – um século de transformações”, desenvolvido pela Agência O Globo, com o apoio da ONU Mulheres Brasil e do canal GNT. A ação incluiu o lançamento de um livro, exposição e debates sobre o empoderamento feminino. O livro é conjunto de artigos que retratam as mudanças no papel da mulher na sociedade dos anos 30 aos dias atuais, os desafios enfrentados, a defesa da diversidade no mercado de trabalho e os seus desejos de liberdade e igualdade.

muheres

 

 

 

 

A rede de hotéis AccorHotels, por meio do Women at AccorHotels Generation, e a farmacêutica AstraZeneca, com o Women in Business, clientes KF Comunicação, estão entre as empresas que buscam envolver seus colaboradores a remover as barreiras culturais que impedem as mulheres a atingirem todos o seu potencial. O objetivo dos programas é incentivar a conscientização sobre a diversidade e igualdade de gêneros e estimular o desenvolvimento e o protagonismo das mulheres.

Nos manteremos atentas,
boa leitura!

Monica Deliberato Baptista
Diretora para a Sustentabilidade da KF


Relacionamento sustentável

seta-verdeUm dos maiores atributos das instituições é a credibilidade, que faz parte da construção de uma relação de valor sustentável com o público. As pessoas estão deixando de apenas “comprar” ideias, para buscar aquelas com que se identificam, que apresentam um propósito. Criar essa rede de relacionamento vai além de conhecer o público ou implantar canais de comunicação, é preciso interagir verdadeiramente, abrindo um espaço de diálogo, identificação e entendimento.

Essa reflexão sobre como promover uma nova experiência foi realizada pela Molico. Com quase 50 anos de mercado, a marca precisava reforçar a sua conexão com seu principal público, as mulheres. O projeto envolveu um estudo profundo sobre o universo feminino e percebeu que nesse momento, quando dispomos de diversos recursos tecnológicos para “facilitar” a vida, menos tempo sobra para se sentir livre e leve, que eram as premissas da marca. Além disso, o estudo mostrou que as mulheres assumiram novas responsabilidades e que desejam ser vistas de outra forma. Esse olhar cuidadoso sobre o universo da mulher deu origem ao projeto O Valor do Feminino .

molico

 

 

 

 

 

 

 

 

 

A plataforma digital apresenta uma série de vídeos sobre os princípios mais humanos da sociedade e que por um longo tempo as mulheres foram guardiãs. Na luta pelo seu espaço, elas levam esses valores para todos os ambientes, fazendo-os ganhar expressão coletiva e representatividade. O resultado foi surpreendente, ao apresentar que esses princípios são necessários a todas as pessoas, evitando que ajam apenas no piloto automático, que essa visão estreita das situações está perdendo força e que não há respostas únicas, por isso a necessidade de manter o processo de comunicação com o público, porque o mundo está em constante evolução.


Fique por dentro

andrea-goldschmidt

A fotógrafa Andrea Goldschmidt reúne uma série de registros que resgatam a cultura e riqueza das festas populares do Brasil, até 27 de outubro. São 46 imagens, representando 13 festas diferentes em diversos estados do País. A mostra Festas Populares Brasileiras acontece no Octavio Café, na Av. Brigadeiro Faria Lima, n°2996, das 18h às 21h. A entrada é gratuita.

 

 

 

empreendedor-social

A 12ᵃ edição do Prêmio Empreendedor Social 2016, do Jornal Folha de S. Paulo, vai premiar os líderes que apresentarem as soluções mais inovadoras para melhorar os serviços de saúde, incluir pessoas com deficiência e destinar corretamente resíduos. Seis projetos chegaram a final, nas duas categorias do prêmio. Os vencedores serão conhecidos em 7 de novembro.

pcm123

Estão abertas as inscrições para o último Pão com Manteiga do ano. Para esta edição o convidado será o consultor Marcus Hyonai Nakagawa, que vai conversar sobre as novas tendências em sustentabilidade. Reserve a manhã de 24/11 na sua agenda, das 8h30 às 10h30, o evento realizado pela KF Comunicação será no Sofá Café do Centro Britânico, na Rua Ferreira de Araújo, 741, Pinheiros, São Paulo. Confirme a sua participação pelo e-mail: claudia@kfcomunicacao.com Participe!

legado-site

Acorde! para um mundo melhor nº14

_cabecalho

Informativo de Sustentabilidade da KF Comunicação – Edição nº 14

Editorial

Virada Sustentável

São Paulo vivenciou a última etapa
de 2016 da Virada Sustentável, com centenas de atrações culturais e atividades gratuitas por toda a cidade, mostrando que a sustentabilidade é um processo de aprendizado, de envolver as pessoas para que elas possam replicar os conceitos aprendidos na sua rotina e propagar esse conhecimento.

A programação do evento foi montada com ações focadas nos eixos temáticos dos 17 Objetivos do Desenvolvimento Sustentável (ODS), da Organização Mundial das Nações Unidas (ONU), para definir novos rumos para o desenvolvimento humano, como erradicação da pobreza, saúde e bem-estar, educação de qualidade, igualdade de gênero, água potável e saneamento, cidades e comunidades sustentáveis, entre outros.

Para envolver o público e apresentar algumas iniciativas a favor da sustentabilidade, dois clientes da KF Comunicação participaram ativamente da Virada Sustentável de São Paulo. A AccorHotels, por meio do hotel ibis Paulista em parceria com a ONG AMPARA Animal, realizou um evento de adoção de cães e gatos. Enquanto isso, a Novelis debateu importância da Economia Circular, apresentando a estrutura da cadeia do alumínio, incluindo a prática da reciclagem.

As próximas etapas da Virada Sustentável serão em 2017 no Rio de Janeiro e em Salvador. Que tal também praticar esse movimento dentro das empresas, levando uma visão alegre e inspiradora sobre sustentabilidade durante o ano todo?

Boa leitura,

Monica Deliberato Baptista
Diretora para a Sustentabilidade da KF


 O legado sustentável das Olimpíadas e Paralimpíadas Rio 2016

seta-verdeA cada edição dos jogos Olímpicos e Paralímpicos realizado, há uma preocupação maior sobre o legado que será deixado. São anos de trabalho para que as instalações recebam atletas e visitantes para propagar os valores olímpicos de prosperidade, investimento social e tecnológico, aliado ao crescimento econômico. Nesse sentido, qual será o legado da Rio 2016?

legado-olimpico

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

A cada edição dos jogos Olímpicos e Paralímpicos realizado, há uma preocupação maior sobre o legado que será deixado. São anos de trabalho para que as instalações recebam atletas e visitantes para propagar os valores olímpicos de prosperidade, investimento social e tecnológico, aliado ao crescimento econômico. Nesse sentido, qual será o legado da Rio 2016?

Desde Barcelona, em 1992, as obras visaram aprimorar o espaço como um todo, não apenas para os atletas, mas para dar mais qualidade de vida à população, como a revitalização do porto e a recuperação da costa, antes degradada. A cidade modernizou-se e tornou-se um foco turístico mundial. Londres, dez anos depois, trabalhou para descontaminar terrenos com substâncias tóxicas e para reutilizar as arenas.

No Rio de Janeiro, o projeto foi uma tentativa de fazer dessa edição uma das mais sustentáveis da história. Algumas construções foram pensadas para serem desmontadas e utilizadas na edificação de escolas municipais, evitando “elefantes brancos”. Foram utilizadas lâmpadas de LED nas instalações, reduzindo o consumo de energia elétrica e custos de manutenção, e houve a ampliação no sistema de tratamento de esgoto de 10% para 50%.

Na área ambiental, se a Baía de Guanabara não foi despoluída, o legado de maior impacto foi na cerimônia de abertura, na qual 12 mil atletas depositaram sementes de 207 espécies, que representam os 206 países e o time de refugiados que participaram da Olimpíada. Boa parte é de árvores frutíferas e, em agosto do ano que vem, as mudas serão plantadas no Parque Radical de Deodoro, para dar origem à chamada Floresta dos Atletas, com o objetivo de ampliar a biodiversidade.

O símbolo maior dos jogos, as medalhas, foram produzidas da maneira mais sustentável, a prata e o bronze foram reciclados e o ouro, totalmente livre de mercúrio, foi adquirido de fornecedores comprometidos com as diretrizes da Casa da Moeda. As medalhas paralímpicas tinham sons diferentes, permitindo que atletas com deficiência visual pudessem identificá-las.

Quem desejar acompanhar os impactos dos jogos olímpicos e paralímpicos, poderá acessar os relatórios desenvolvidos pela equipe do Laboratório de Sistemas Avançados de Gestão da Produção (SAGE), da Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ). O primeiro foi divulgado em janeiro de 2014, o segundo está previsto para ser divulgado nos próximos meses e o último será finalizado daqui há três anos, para analisar se o evento de fato foi um ponto de mudança para o Rio de Janeiro.

Uma coisa é certa: o brasileiro sentiu orgulho da Rio 2016 e mostrou para o mundo seu potencial. Caso os investimentos governamentais no esporte brasileiro sejam insuficientes ou não se mantenham, o investimento privado continuará fundamental, como uma oportunidade para as empresas investirem em projetos focados na prática esportiva ou na formação de atletas.

 


Fique por dentro

gptw-2016

 

A revista Época divulgou a lista das Melhores Empresas para Trabalhar 2016. O ranking é uma forma de avaliar como estão as relações no ambiente de trabalho. Ações voltadas para
a saúde e o bem-estar dos colaboradores fazem parte
do pilar social de sustentabilidade. Na lista das 80 maiores,
a AccorHotels conquistou o 9ᵒ lugar e a farmacêutica AstraZeneca o 16ᵒ lugar, marcando presença também na lista das melhores empresas para mulheres.

sustentavel-2016 O Sustentável 2016, evento realizado pelo Conselho Empresarial Brasileiro para o Desenvolvimento Sustentável, acontece em 25 de outubro, no Museu do Amanhã (Rio de Janeiro). O congresso é gratuito. Mais informações no site cebds.org/eventos.

site-chamada

Acorde! para um mundo melhor Ed. Nº 13

_cabecalho

Informativo de Sustentabilidade da KF Comunicação – Edição nº 13

 

Na Rio 2016, o Brasil terá representantes em todos os esportes olímpicos. Dessa vez será porque sediamos uma olimpíada. Mas, por que é tão difícil chegar lá? Viver de esporte no País é um desafio, mesmo no futebol, esporte tão vangloriado pelos seus altos salários. Para chegar no patamar de um Neymar, pense em quanto desistiram de seus sonhos pelo caminho.

O que isso tem a ver com as empresas? A rotina de um futuro atleta depende de investimento e ainda estamos em um País onde isso não está no planejamento da iniciativa privada.

É fato comprovado que o esporte é um grande incentivo para tirar jovens de situações de risco, promover o respeito, o espírito de equipe, o orgulho e a educação. Umas das formas de transformar o futuro de crianças e adolescentes é por meio do esporte, e isso pode ser feito a partir do apoio a projetos e aos futuros atletas através da lei de incentivo ao esporte. Essa lei permite que empresas e pessoas físicas invistam parte do que pagariam de Imposto de Renda em ações aprovadas pelo Ministério do Esporte. As empresas podem investir até 1% e as pessoas físicas até 6% do imposto devido.

Ao ver nossos atletas nesta edição dos jogos olímpicos, vamos lembrar do esforço diário que muitos deles fizeram para estar ali defendo o Brasil e, que mesmo por trás do glamour e das polêmicas da competição, encararam as condições mais adversas, sem apoio ou patrocínio, para estar lá realizando o sonho olímpico. E mais, que esses jogos estimulem pensar em quantos atletas podemos ajudar a formar, a conquistar medalhas e a garantir um futuro mais sustentável.

Mônica Deliberato 
Diretora para a Sustentabilidade da KF

Relatório de sustentabilidade: comunicação personalizada


seta-verdeO debate sobre a sustentabilidade dentro das empresas tem mais de 40 anos e o tema nunca foi tão atual como agora. Com o amadurecimento das empresas com relação às três dimensões: social, ambiental e econômica, ser sustentável passou de uma obrigação para cumprir as regulamentações, para compor a estratégia do negócio. As novas posturas impactam diretamente a cadeia de valor e, por isso, o diálogo, a mensuração, o reporte dos impactos e a apresentação de resultados efetivos são fundamentais.

Ao longo dos anos, a forma de comunicar também evoluiu. Surgem novos formatosque aproximam as empresas dos seus stakeholders, facilitam o diálogo, as tornam acessíveis, demonstram transparência e representam o interesse público. Vejamos o exemplo da EDP, cliente KF Comunicação, presente em oito estados, a EDP, empresa que atua nos segmentos de geração, distribuição e comercialização e soluções de energia elétrica no País, e utiliza o modelo do GRI em seus relatórios de sustentabilidade desde 2006. Nesses 10 anos, as normas tornaram-se mais exigentes e refinadas, conectando melhor as ações de sustentabilidade ao negócio.

edp-gri

“Há dois anos utilizamos a nova versão G4. Atualmente, estamos caminhando para a produção do relato no modelo integrado, reforçando assim a integração das variáveis ambientais, sociais e de governança com os dados financeiros, numa linguagem mais direcionada ao investidor, e que seja mais focado que os anteriores. Além disso, no último ciclo de relato, apresentamos o relatório em diferentes formatos e linguagens, associado a um plano estratégico de comunicação interna e externa, desenvolvido para as atender expectativas dos principais grupos de stakeholders”, explica Sónia Cardoso, Gerente de Sustentabilidade da Diretoria de Comunicação, Marketing e Sustentabilidade da EDP. Foi desenvolvida uma versão completa do relatório, de acordo com as diretrizes GRI, uma resumida para fins institucionais e de relacionamento, e outra acessível direcionada para pessoas com necessidades especiais.

O conteúdo do relatório foi construído a partir de uma análise de materialidade, que inclui uma visão multistakeholder, além das informações capturadas dos canais internos de relacionamento da companhia e da inclusão da estratégia de negócio, fortalecendo a conexão das dimensões da sustentabilidade com o negócio. Pelo segundo ano consecutivo, como resultado de um processo de elaboração do relatório mais eficiente, o seu lançamento ocorreu simultaneamente com a divulgação dos resultados financeiros da companhia.

Fique por dentro



batata
O inverno chegou intenso nas regiões sudeste e sul do país. Por isso, nada melhor do que ajudar quem mais precisa. Assim como alguns de seus clientes, a equipe da KF Comunicação também arregaçou as mangas para arrecadar roupas e cobertores para serem doados às pessoas carentes do Largo da Batata, região próxima à agência, por meio da campanha “Vamos esquentar a Batata”. As peças arrecadadas até 29/7 serão entregues à Igreja Nossa Senhora do Monte Serrat. Quem quiser ajudar, é só entrar em contato conosco.

 

 

escoladvcA Escola de Você é um portal desenvolvido pelas jornalistas Ana Paula Padrão e Natália Leite que traz dicas de relacionamentos, carreira, empreendedorismo e imagem pessoal em vídeos curtos e divertidos, voltados para as mulheres. Os cursos são gratuitos e podem ser acessados a qualquer momento do computador, tablet ou celular no site escoladevoce.com.br.

 

 

soniaA diretora de Imprensa e Sustentabilidade da BM&FBOVESPA, Sonia Consiglio Favaretto, foi homenageada como uma das dez “2016 Local SDG Pioneers” no UN Global Compact Leaders Summit 2016, em Nova York. Sonia foi reconhecida por seus esforços relacionados ao Objetivo de Desenvolvimento Sustentável (ODS) 8 sobre Trabalho Decente e Crescimento Econômico.

 

 

 

amigodayA todo momento, em qualquer lugar, uma nova amizade é formada. Seja durante a infância, nas ruas, no bairro, na escola, faculdade, nas redes sociais e dentro das empresas. 20 de julho é dedicado ao Dia do Amigo, quando celebramos esses relacionamentos de sucesso. A verdadeira amizade exige respeito, confiança, bom senso e admiração, e quando essas características refletem-se no trabalho em equipe no ambiente corporativo, traz como benefícios um time mais cooperativo, produtivo e eficaz.